quarta-feira, 2 de abril de 2014

Dia Mundial do Autismo

Fonte: Rádio Vaticano

Na recorrência do Dia Mundial do Autismo, o Presidente do Pontifício Conselho da Pastoral para os Agentes de Saúde, Dom Zygmunt Zimowski, dirigiu uma mensagem aos familiares e aos agentes de saúde, onde exprime “a proximidade e a solicitude de toda a Igreja para esta realidade que vivem as pessoas afetadas” pelo autismo, e em particular “às famílias que partilham cotidianamente desta experiência”.
No documento intitulado “A esperança que vem da colaboração e da confiança”, também é anunciada a realização no Vaticano de 20 a 22 de novembro, da XXIX Conferência Internacional, organizada pelo Pontifício Conselho, com o tema: “O autismo, doença de muitas faces: gerar a Esperança”.
Dom Zimowski exortou as famílias “a não extinguirem a esperança”, reiterando que devemos apoiá-las “para que não se sintam perdidas ou em crise nas suas relações afetivas”, pois reconhece existir uma “real dificuldade de integração e de comunicação que passa da pessoa autista a quem entra em contato com ela”.
Para “combater este estigma” – diz a mensagem – é necessário seguir “um caminho de integração na comunidade, rompendo o isolamento e as barreiras impostas pela patologia e pelo preconceito, através do reforço das relações interpessoais”, o que pode ser feito “com o apoio do compromisso social, com ações sinérgicas no âmbito da cura, da informação, da comunicação e da formação, favorecendo de tal modo a mudança para uma verdadeira compreensão e para a aceitação da doença, que nunca nega ou diminui a dignidade de que é revestida cada pessoa”.
Segundo Dom Zimowski, estes seriam pressupostos de “uma esperança que não isola nem as pessoas autistas, nem suas famílias”, mas leva a uma “colaboração e confiança recíproca”.
Em relação à Conferência Internacional a ser realizada em novembro, o Presidente do Pontifício Conselho da Pastoral para os Agentes de Saúde sublinha que será uma oportunidade para “a comunidade científica, as famílias e as instituições de formação e de inserção social debaterem e assumirem compromissos”.
Ao concluir, Dom Zimowski citou a Exortação Apostólica Evangelii gaudium, onde o Papa Francisco afirma ser “indispensável prestar atenção para sermos próximos às novas formas de pobreza e de fragilidade nas quais somos chamados a reconhecer Cristo sofredor, mesmo se isto aparentemente não nos traga vantagens tangíveis imediatas”. (JE)